17/03/2011

Trechos de uma vida

Oi pessoal,

Hoje, quinta-feira, temos um texto do meu amigo, Denys Mesquita, uma grande pessoa que Deus deu-me a dádiva de conhecer. Um grande amigo que apesar do pouco tempo que nos conhecemos é uma pessoa que já possui muito do meu respeito, carinho e amor. Agradeço a Deus muito pela sua vida, e obrigado por tudo que já vivenciamos e iremos vivenciar. Obrigado pelo seu olhar sempre dizer-me muito do que eu preciso ouvi.


Trechos de uma vida




Angústia, cansaço, mente pesada e dores que a alfinetam sem dó ou piedade, o corpo todo é dilacerado pela loucura que vem tomando conta deste ser.

Dentro desta mente um turbilhão de emoções, sentimentos e sensações fazem com que ela não tenha descanso, um descanso para o espírito, para a alma.

Muitos o vêem e dizem:

_ Que pessoa bonita, interessante e ainda por cima é extrovertida, feliz. Queria ser assim!

Louco! Como queres ser um sepulcro caiado que por fora é belo e bem ornado e por dentro está todo podre e fétido?

Um dia este ser viu a luz, sentiu a alegria de viver, experimentou a felicidade apesar das mazelas e armadilhas que a vida prepara. Um dia este ser sorriu em meio a tristeza, ajudou o caído a levantar, alimentou quem tinha fome, comprou remédio para o ferido, ajudou a carregar o fardo do próximo, chorou o choro de muitos e regozijou-se com a alegria de outros, era feliz, era feliz vendo a felicidade dos que ele nem mesmo conhecia, seu brilho interno resplandecia no externo e fazia bem a muitos.

Certo dia alguém lhe falou que ele poderia ter isto tudo e ainda ter tempo para se divertir e gozar a vida como ele nunca o havia feito. A principio ele relutou e desvencilhou-se, porém a insistência fez com que ele fosse dando ouvido àquelas palavras e aquelas palavras foram roendo sua fortaleza como uma barra de ferro que é exposta ao relento e sofre a ação da chuva e do sol interruptamente, foram deteriorando sua cúpula de chumbo, sua proteção que parecia indestrutível.

Quando achou ter sido forte contra as investidas da tentação, esta veio sorrateiramente e lhe beijou os lábios, ela sabia que algo estava germinando dentro daquele ser.

A partir deste momento a luz foi tomada pela negritude, pelas trevas mais densas que foram dominando, dominando e dominando cada vez mais, todos que o amavam e estavam do seu lado agora lhe viravam a face quando este passava, seu sorriso não tinha mais brilho, seus olhos só transpareciam o vazio que havia por dentro, de rocha sólida ele passou a ser a areia que não tem firmeza nem consistência e ao invés de ajudar ao próximo ele agora é que dependia de alguém para lhe estender a mão, mas não encontrou ninguém, não encontra, ele encontrará?

Hoje ele grita aos quatro cantos:

_ Escutem o meu silencio! Desvendam-no e venham ao meu encontro me socorrer da miséria e trevas em que me encontro.

Ninguém responde.

Hoje ele não acredita mais na felicidade, duvida que ela exista, não consegue nem recordar que um dia ele a teve do lado por todo o tempo.

E dizes: Queria ser assim?

Por onde quer que ele ande hoje em dia, ele caminha com as mãos a frente do corpo sem enxergar nada, tentando segurar-se em algo para não cair, apalpando em meio as trevas, espera um dia ter ao seu lado uma voz não para enchê-lo de mentiras, falsidades e armadilhas, mas sim para fazê-lo enxergar que ainda existem cores no mundo e que a felicidade ainda pode existir depois da queda, que ele ainda pode ser amado, apesar de sujo e debilitado.

Há se ele pudesse enxergar e vê que lá no final do caminho, lá longe tem alguém que o espera ansioso e com o coração apertado de saudades, se ele tivesse forças para caminhar mais uma milha e vê que este alguém só está esperando-o, não para julgá-lo e virar-lhe a face, não, mas para tomá-lo nos braços com todo amor e carinho, para trocar suas vestes, lhe dar novas sandálias, lhe por no dedo um anel de honra e ainda por cima fazer uma festa e regozijar-se com todos, na alegria de saber que aquele ser que já não tinha mais esperança de sair do lamaçal e da morte certa, agora nascia de novo e novamente estava no lugar de onde ele nunca deveria ter saído.

Denys Mesquita


2 comentários:

Will disse...

Me indentifiquei com o texto deste kara sabia? Em partes é claro.
E acho q a ecolha da imagem nao poderia ter sido melhor, combinou perfeitamente.
Grande abraço.

Delchiawon disse...

Muito bom ele mesmo, tem um modo toltamente diferente de tudo que já foi postado aki no blog! Também me identifiquei muito com o Texto!

Demorei um pouquinho na escolha dessa imagem, rsrrs. Mas pelo que vejo foi a certa!

Valeu Will, volte sempre!

Postar um comentário

Comenta ai o que você achou ....