26/12/2015

Era para ser....

Você pode ler esse texto ouvindo This Love


Eu já tinha a costumado a contemplar as estrelas. A deitar na grama. Já tinha abaixado a minha guarda e permitido a sua entrada. Na verdade, nunca consegui entender como me envolvi em você tão profundamente e em tão pouco tempo a ponto de abaixar todas as minhas defesas, revisar os meus princípios e adotar o seu jeito de ver a vida.
Eram para ser seus todos os meus textos. Eram para ser seus todos os meus sorrisos. Eram para ser suas todas as minhas primícias. Mas você não quis. Preferiu as incertezas, os outros textos, os outros sorrisos, uma outra vida. Você tinha todos os pontos para ser o tudo, mas preferiu ser o nada.
Porra, era para termos o Toddy, erámos para sermos vizinhos do “Omar”, era para eu lavar as louças e você vim, me abraçar por trás e me beijar. E as nossas viagens? E os nossos sonhos? O que você fez com tudo isso? Que diabos de lugar tu colocastes tudo que sentia por mim? Que merda!
Poxa vida, lutei tanto para ficarmos juntos. Lutei contra mim tantas vezes para deixar você ganhar. Queria que você tivesse feito o mesmo quando me mandou um “Whats” dizendo que iria me reconquistar. Que havia se arrependido. E depois de tudo que passou havia aprendido. Eu juro, eu acreditei mais uma vez nessas palavras. Acreditei mais uma vez nos nossos sonhos. Acreditei que a nossa lua voltaria a brilhar e que a âncora realmente havia nos firmado e não estávamos mais soltos no oceano.



Sabe eu achava a nossa história tão bonita. Eu estava disposto a mostra tantas coisas a você e aprender tantas outras contigo. Tinha planejado tantas datas, tantos momentos, tantos presentes, tantos outros níveis. Porém o seu querer jogou-os no lixo. Caralho, por que você decidiu mendigar outros amores, outros sonhos, outros textos, e outras vidas, se tinha tudo aqui com tanta abundância?

Fico aqui sem entender o seu motivo de querer ficar próximo mesmo depois de ter desistido de nós. Você sabe que ti ter por perto me machuca, mas mesmo assim permanece. Permanece com o mesmo sorriso, com as mesmas brincadeiras, com as mesmas safadezas e com as mesmas molecagens de sempre. Ficou mesmo sabendo que sua presença doía. Mesmo sabendo que eu não teria coragem de ti manda embora. Permaneceu. A ausência dói, mas a sua presença dói mais ainda.