22/05/2011

Carta aos amigos

Não sei muito bem como começar. Desaprendi como transformar os sentimentos em palavras. Mas vou esforçar-me para revelar o que se passa em meu peito em relação a vocês. O que meu coração quer dizer, porém minha boca não consegue transformar em palavras sinceras. Utilizarei da escrita, onde também não sou bom o suficiente. Na verdade, não sou muito bom em demonstrar o que se passa em mim. Mas em amor a vocês eu tentarei...

Queria que vocês acolhessem que continuo amando cada um da mesma forma, ou até mais. Que o meu distanciamento físico é conseqüência da minha escolha por Aquele me elegeu. Queria que vocês entendessem que eu necessito responder ao chamado que Ele me fez. Corresponder de alguma forma a todo o amor derramado sobre mim. Quero que vocês compreendam que para a vivência real dessa resposta se faz necessário: renúncia, coragem e disposição. Não são fáceis escolher-las e viver-las, no entanto são precisas para uma autêntica decisão.

Hoje, vejo o quanto vocês me ensinaram. Posso ver nitidamente quanto me ajudaram a crescer em graça, sabedoria e estatura. Com nossas conversas, brincadeiras, doações e tanto outros momentos compartilhado ao lado de vocês.

Gostaria que vocês entendessem que não estou deixando, mas sim ganhando. Que me olhassem não como o amostrado, o aparecido ou qualquer outro adjetivo criado pela nossa mente humana. Quero que vocês me vejam como o mais necessitado entre todos, pois faltava algo aqui dentro que só encontraria em uma vida fora de mim, ofertada para o outro. Não que eu não fizesse isso, mas hoje me deparo com um chamado a uma oferta muito maior. Onde preciso decidir-me por ela.

Tenham a certeza que sempre nos encontraremos na Eucaristia, e utilizarei de algumas palavras para finalizar. De um irmão que muito me ensina sobre vivência da vontade e opção por Deus, Luiz Fernando. Que diz mais ou menos assim: "o Senhor nos une, nos separa, mas sempre por um bem maior!"

Retorno

Lendo textos de alguns amigos em seus blog's. Hoje suas palavras motivaram-me ao retorno a escrever. Registrando as mudanças que ocorrem em mim. Porque nesta noite decidi pela mudança.

Porque percebi que escrevo muito mais para mim.

Onde os comentários e os seguidores são conseqüências da minha sinceridade comigo mesmo. Não ter uma escala do que postar. É a forma como realmente revelo o que vejo no mundo e revelo o meu verdadeiro eu que não tem decisão e certeza de nada, pois tudo está entregue nas mãos daquele que é dono da minha vida, Deus.

Pois vejo os blog's como um espelho de quem realmente são as pessoas e como elas realmente vivem.

03/05/2011

Palco


Estava com saudade deste lugar. Saudade de entregar-me. Saudade de tocar. Saudade dos palcos.

Saudade de tocar os corações com os movimentos de minhas mãos. Sensibilizar as lágrimas com os meus olhos. Levar todos a uma reflexão através da minha voz. Meus pés não sabiam mais firma-se nessa terra que me destes como missão.

Quando sou colocado ali, vejo minha vida sendo ofertada, doada, sendo instrumento em tuas mãos. Ali na frente vejo na vida da platéia a tua ação. Eles encontrando sentido para sua existência, na minha simples oferta de ser o Cristo encarnado que faz com que outros Tomé também possam te tocar.

Sentir o coração bater mais forte, as mãos suarem e o frio na barriga são sensações que refletem a felicidade de servir e querer dá o meu melhor para o outro.

Os elogios e a minha felicidade não são mais importantes, porque a felicidade encontro na face do público que encontrou a razão do seu existir. E os elogios sobem até quem realmente merece. O artista maior, Deus, e dono do maior palco existente, a vida.