11/07/2015

A nossa casa ainda fala de você



Você pode ler esse texto escutando All too well

 Foto retirada do www.achadosdamoda.com                                                  

Mesmo após esses 12 meses a nossa casa ainda fala de você. Ela faz com os meus flashes de memória sejam cada vez mais nítidos no desejo de que a minha memória não comece a falhar depois de tantos dias passados desde o dia em que você nos deixou.
Ela me mostra a primeira parede que sentiu o calor dos nossos corpos na data em que fomos escolhidos para ser dela. Ela me recorda a sua pressa para despachar o corretor, que nos mostrava cada cantinho da casa nova, cantinhos que fizemos questão de encher de nós. Ainda lembro, de você fechando a porta, voltando para sala e me olhando com aquele sorriso bobo e me agarrando com sorrisos, mochilas, mãos, celulares, beijos, atrasos, malas e vontades.
A varanda ainda continua com aquela mesinha de mármore e as cadeirinhas que ganhamos da sua avó e que você sempre gostava de sentar após termos contemplado o céu enquanto recuperávamos as forças com qualquer besteira encontrada na cozinha, e você me contava da sua cidade, do seu dia, dos nossos planos e da visão do mar e das estrelas que a nossa casa proporcionava.
As panelas e os utensílios da cozinha ainda ressoam o som das nossas gargalhadas de cozinheiros inexperientes: queimando, sujando, quebrando e sendo feliz a cada acerto. A geladeira nova também grita comigo como você gritava por causa da minha velha mania de deixar a porta dela aberta. Acho que vocês seriam bons amigos se chegassem a se conhecer.
Sabe quem outro dia deu o ar da graça? A sua velha amiga sanduicheira de pão, aquela que usar no fogão. Lembra dela? Pois é, ela me recordou como você ria todas as vezes que a usava e se perguntava como ainda tínhamos aquela raridade em nossa casa, e que mesmo assim não possuía coragem para quebrar as relações com ela. 
Foto retirada do www.casalsemvergonha.com.br                                                   
Os flashes do nosso quarto ainda são constantes. Ah, o nosso quarto! Nosso refúgio do mundo, dos problemas, das pessoas, o nosso campo Eliseos. A nossa cama ainda insisti em mostra que ela estar fria e que não possuo mais as suas pernas entrelaçadas as minhas e nem a sua preocupação quando eu acordava a noite por causa do calor e você sorria pra mim e me puxava para mais perto de você. É difícil não olhar para aquele espelho e não lembra de você cantando Taylor com a geringonça que gruda em tudo, enquanto eu corrigia as provas dos seus alunos. E você escrevia trechos de Enchanthed com seu pincel no pobre do espelho. Esse quarto é o cômodo que mais sente falta de você. Ele fala da gente brincando de lutinha, da bagunça que fazíamos nele, dos cantinhos, dos móveis que estão marcados com o nosso amor. Outro dia, recordávamos e rimos muito, do dia que a nossa intimidade ainda não havia alcançado seu ápice e você precisava usar o banheiro e me trancou no quarto, para eu não ver nada ou melhor, sentir nada. RS O quarto e eu também choramos muitas vezes juntos.
É claro que o banheiro mandou lembranças. Ele não esquece de você, também é impossível. O seu perfume ainda não saiu de lá! Impregnou nas paredes. Ora o outra ele ri de mim por causa do dia que chorei ao ver nossas escovas juntas no armário e você rindo da minha cara pelo nível de sensibilidade que eu havia atingido naquele momento. E depois me abraçou, beijou minha testa e soltou as palavras mais lindas que saiam da sua boca, o simples e complexo, eu te amo.
O box hoje embaça, pois desacostumei tomar banho gelado, seu corpo não está mais lá para aquecer-me e tenha certeza que a hora do banho nunca mais foi tão divertida como era. E sim! Eu aprendi a me enxugar e a escorrer a água do meu corpo antes de sair do box. Confesso que sinto falta da quantidade de produtos que ficavam em cima da pia, o número diminuiu consideravelmente,
A nossa casa ainda sente falta de você. E eu também sinto. E talvez isso explique o porquê escrevi isso. Ou talvez seja apenas o meu desejo de eternizar esses momentos tão caros para mim e, não permitir que eu perca nenhum detalhe desse tempo bom com o passa dos anos.

0 comentários:

Postar um comentário

Comenta ai o que você achou ....